Biografia

Cantora, compositora e atriz de origem judaica, Fortuna cresceu em São Paulo ligada à música, à dança e ao teatro.

foto.jpg

Na década de 1980, enquanto encenava suas primeiras peças, compôs um repertório de canções em parceria com o poeta curitibano Paulo Leminski (1944 – 1989). O capítulo decisivo de sua carreira, porém, começaria a ser escrito a partir de uma viagem a Israel, em 1991. Foi lá que a arte de Fortuna ganhou uma orientação inovadora: ao ouvir uma obra do cancioneiro ladino, ela percebeu ter encontrado a matéria-prima para uma proposta estética única, em que música, dança e dramaturgia convergem na recriação de um riquíssimo legado cultural. O ladino, dialeto judeu-hispânico, é o idioma dos sefaraditas, os judeus de Sefarad, nome hebraico da Península Ibérica.

O contato com a tradição musical ladina mudaria a vida de Fortuna e daria um novo rumo a sua obra. Ali ela iniciou um trabalho de pesquisa e resgate das canções medievais que permaneciam praticamente esquecidas. O resultado dessa busca iluminou sua trajetória. Nos anos seguintes, ela gravaria, de forma independente, seus sete CDs: La Prima Vez, Cantigas, Mediterrâneo, Mazal, Cælestia, Encontros e Novo Mundo. Com distribuição internacional, receberam elogios da crítica e destaque em premiações de peso. Mediterrâneo venceu o 10º Prêmio Sharp de Música como melhor disco produzido em língua estrangeira e o selo americano Putumayo, especializado em coletâneas de "world music", incluiu cinco canções gravadas por Fortuna em seus últimos lançamentos.

Os espetáculos encenados para cada um dos discos levaram Fortuna a se apresentar com grande sucesso em várias capitais brasileiras, como Recife, Porto Alegre, João Pessoa, Manaus, Belo Horizonte, Curitiba, Rio de Janeiro, Salvador, além das turnês internacionais, com passagens por Paris, Nova York (em uma aclamada apresentação na sede da ONU), Miami, Amsterdã, Haia, Antuérpia, Évora, Buenos Aires, Santiago, Caracas e na comemoração dos 3.000 Anos de Jerusalém.

Além de ter fornecido a substância para o desenvolvimento de sua carreira musical, o trabalho de pesquisa histórica voltado para a recuperação de tradições musicais esquecidas credenciou Fortuna para uma atividade paralela: a de diretora artística do Festival "Todos os Cantos do Mundo". Com sete edições realizadas pelo SESC de São Paulo, o evento revelou artistas cuja música não toca nas rádios e que dificilmente se apresentariam em outros palcos no Brasil.
À frente do festival, Fortuna pôde manter uma conexão permanente com as mais diversas formas de expressão musical. Essa espécie de intercâmbio conferiu ao seu trabalho uma nova consistência – que se reflete na evolução da voz, na sofisticação dos arranjos e na escolha de colaboradores. Os melhores exemplos dessa abertura de horizontes são encontrados nos CDs Cælestia, gravado com o Coro de Monges Beneditinos do Mosteiro de São Bento (SP), Encontros, que além dos Beneditinos inclui a participação do Coro do Projeto Guri, formado por crianças e adolescentes de Osasco (SP) e Novo Mundo, em que aparece o artista pernambucano Antônio Nóbrega. A colaboração dos convidados resulta em uma obra que vai além de recuperar a tradição, dando a ela um novo sentido.
Seu programa "Todos os Cantos", tem garimpado as preciosidades sonoras do planeta. Veiculado pela Rádio UOL, durante 12 anos, o programa foi um verdadeiro marco na história do rádio pela internet.

Atualmente "Todos os Cantos" é transmitido pela Rádio Cultura FM, também acessível online.

Como atriz, Fortuna participou do musical José e seu Manto Technicolor, de Andrew Lloyd Weber, dirigido pelo premiado Iacov Hilel. O sucesso do espetáculo, que é também voltado para crianças e adolescentes, despertou na artista o desejo de orientar seu foco para o público infantil.

Nasceram assim novos projetos.

Em novembro de 2008, a cantora lançou, numa produção do Selo SESC, o CD, o DVD e o espetáculo Na Casa da Ruth. No repertório, poemas da escritora Ruth Rocha musicados por Hélio Ziskind. A direção do espetáculo é de Naum Alves de Souza. Ao longo de 4 anos, o espetáculo foi visto por mais de 20 mil espectadores.

A faixa do CD Na Casa da Ruth "Doze coisinhas à toa que nos fazem felizes" integrou a trilha sonora da novela Carrossel, exibida pelo SBT.

Em outubro de 2012 Fortuna lançou o CD Tic Tic Tati, com poemas e histórias da escritora Tatiana Belinky, também musicados por Hélio Ziskind. Produzido Selo SESC, em 2013 o trabalho recebeu duas indicações para o 24º Prêmio da Música Brasileira nas categorias Álbum Infantil e Projeto Visual.

O musical, criado para o lançamento do CD, tem a direção de Roberto Lage e é outro sucesso de público e crítica. O espetáculo foi registrado e transformado em DVD, com um bônus de 03 animações dirigidas pela cineasta Tatá Amaral.

Lançado em outubro de 2014 o DVD Tic Tic Tati foi vencedor do Prêmio Governador de Estado 2014, na categoria "Arte para Crianças", pelo voto popular.

Reconhecida na cena musical brasileira por se dedicar a investigar e resgatar sonoridades, melodias e tradições musicais judaicas, Fortuna trabalha atualmente em um projeto que vai além: Novos Mares, que tem como ponto de partida uma ligação profunda com as músicas interpretadas pelos judeus que emigraram para várias partes do novo mundo, inclusive a região do Mediterrâneo, África do Norte e Oriente Médio.

O novo projeto musical traz novidades em relação aos seus trabalhos anteriores. Mais autoral, Fortuna assina a composição de cinco das treze músicas do repertório do CD, traçando o percurso dos judeus orientais que saíram de Alepo (Síria), e do Oriente Médio em geral, cantando temas em árabe, hebraico e francês. Este percurso passa por Sefarad (Espanha e Portugal) e chega ao Brasil, onde a figura de Branca Dias – cuja lembrança é tema de uma das novas composições - simboliza o encontro do Velho com o Novo Mundo.

Em Novos Mares, a música é encarada como um fio condutor essencial para alcançar um diálogo intercultural entre pessoas pertencentes a nações e religiões diferentes, mas que têm em comum a linguagem da música.

Em 2016, gravou a música Opara, especialmente para a novela Velho Chico da Rede Globo. A trilha sonora nacional da novela foi toda composta pelo maestro Tim Rescala, que também assina a produção musical.